17 de novembro de 2009

Tal Qual


Frágil sufrágio, soneto, adocicados sonhos
Os pulsos já tem compasso comprado:
Tal qual máquina, pontual bate o coração
há tempos esqueci dos sóis: a escuridão mora ao lado

Hoje percebi que minhas vontades pulsam
Pulsam e silenciam o que de mim neste quadro Goya há
Tal qual o abismo, o nada que varre, e sobrepõe
certo silêncios já me são costumeiros: minha vontade não pode reinar


Perdi, homem, céus, desejos de não querer
Perdi a voz ao calar a dor, não há belezas tão puras aqui
Tal qual o vale das sombras que tornei-me
o nada é o mais doloroso tudo que já sofri


Na dor tudo é confuso, contuso, concluo
E na vontade de desejar não querer
Tal qual meu corpo quando pensa em viver
abstraio e abduso, ter e ser.

Foto: Bill Brandt

5 comentários:

kacau disse...

realmente quanto estamos sentindo esse tipo de dor que vc descreve, acho que ficamos meio inertes sofrendo pensando na nossa dor e nada mais. Seu blog é muito bom e vc inteligente, tem mensagens mesmo que subliminares.Gostei.

Dancer disse...

Vontades, independentes, ser frágil pode se corresponder ao mesmo que o nosso ser, ligado a vontade de querer realmente ser'

A gente vive pra isso, ser, ter, crescer
Evoluir, sorrir, sentir
E no final da noite ir pra cama e dormir
Isso é muito engraçado!

A gente dorme, e quando dormimos navegamos não em sonhos mais sim em escuridão, ultimamente a gente anda navegando em escuridão de olhos abertos, e por mais que não queremos devemos sim deixar tudo em nós reinar, seja o bom ou o ruim, pra gente se descobrir

Teu poema é um tanto quanto abusivo nas palavras, nas escolhas, ele se expressa demais, se alimenta demais dos mais difíceis dialetos, eu li 4 vezes para compreender melhor que você está tentando se limitar a ações, dais quais esse mundo castiga. E outras muitas, interpretações podem vir de um poema assim. Nota mais que 10, não existem notas para poemas de extrema perfeição em sintonia com cada palavra, cada milésimo de sílaba.

Abraços

Rodrigo The Rock disse...

Gostei da herudição...parabens pelo texto.

Tatiane disse...

Não dá para viver trancado na dor por muito tempo,uma hora td explode como um vulcão...
Não consegui diferenciar o sentido do texto,pois ele nos direciona a uma ampla opinião,está excelente nos leva a uma cadeia de opiniões...

Anônimo disse...

Concordo com o que a Tatiane disse, me senti direcionada a uma ampla opinião...a poesia é excelente, sem dúvidas! Parabéns!!

Postar um comentário

Seguidores